O portunhol: língua, interlíngua ou dialeto

Griselle M. Calderón Morales
Departamento de Lenguas Extranjeras (Portugués)
Facultad de Humanidades

Resumen:
Español:
El portuñol: interlengua, lengua o dialecto

El portuñol es un fenómeno que ocurre en las fronteras entre países lusófonos y países de habla hispana. Se conoce como portuñol o “portuhnol” la mezcla entre el español y el portugués creada por los habitantes fronterizos. En este trabajo identificaremos el portuñol como interlengua, lengua o dialecto según la definición de estos conceptos. Con ese propósito utilizaremos la variación del portuñol hablada en las ciudades gemelas Santana do Livramento en el estado de Río Grande del Sur en Brasil y la Cuidad de Rivera en Uruguay. Igualmente, expondremos sus aspectos sociolingüísticos y lingüísticos como la fonología, morfología y sintaxis de manera que podamos llegar a una conclusión crítica para poder definir este fenómeno.

Palabras claves: portuñol, Lingüística, dialecto, Brasil


Resumo:
Português:
O portunhol: interlíngua, língua ou dialeto

O portunhol ou “portuñol” é um fenômeno que ocorre nas fronteiras entre os países lusófonos e países de fala hispana. Conhece-se como o portunhol ou “portuñol” a mistura entre o espanhol e o português criada pelos habitantes fronteiriços. Neste trabalho identificaremos o portunhol como uma interlíngua, uma língua ou um dialeto conforme às definições destes conceitos. Com este propósito usaremos a variação do portunhol falada nas cidades gêmeas de Santana do Livramento no estado do Rio Grande do Sul no Brasil e na cidade de Rivera no Uruguai. Igualmente, exporemos seus aspectos sociolinguísticos e linguísticos como a fonologia, a morfologia e a sintaxe para chegar a uma conclusão crítica e assim poder definir o fenômeno.

Palavras Chaves: portunhol, linguística, dialeto, Brasil


Abstract:
English:
Portunhol: Interlanguage, Language or Dialect

“Portuñol” or “portunhol” is a phenomenon that occurs between the frontiers of Lusophone and Hispanic countries. “Portuñol” or “portunhol” is known as the mixture of the Spanish and Portuguese languages created by border communities. In this paper, we are going to identify “portunhol” as an interlanguage, a language, or a dialect according to the definition of these concepts. With this purpose, the variation of “portunhol” spoken in the twin cities of Santana do Livramento located in the state of Rio Grande do Sul in Brazil and in the city of Rivera in Uruguay will be used. In addition, we are going to expose the sociolinguistic and linguistic aspects such as the phonology, the morphology and the syntax in order to reach an in-depth conclusion to define this phenomenon.

Keywords: portuñol, portunhol, Linguistics, dialect, Brazil


Introdução: ¿É o portunhol um interlíngua, língua ou dialeto?

O continente sul-americano é uma mistura de culturas tanto europeias como indígenas. Dentro da cultura temos as línguas, as quais evolucionam com o tempo e formam parte da identidade das pessoas. Entre todas as línguas e os dialetos que se falam, também temos híbridos como o “portunhol” (Lipski, 2006: 3; 2007: 16). O portunhol denomina-se como a língua coloquial utilizada pelas comunidades fronteiriças entre os países de fala lusófona e hispana. As fronteiras podem ser tanto as ibéricas como as sul-americanas; neste caso trabalharemos com as fronteiras sul-americanas. O portunhol é uma mistura entre o português e o espanhol e se fala entre a fronteira do Brasil com a Argentina, a Venezuela, a Colômbia, a Bolívia, o Paraguai e o Uruguai. No entanto, o portunhol se fala num amplo território do continente sul-americano. Entre o Brasil e o Uruguai existem as cidades fronteiriças, conhecidas como gêmeas, porque têm uma fronteira comercial e política aberta. Portanto, os habitantes têm acesso entre os dois países. Isso, assim como o período histórico, influencia o desenvolvimento da variação linguística, do portunhol.

Os objetivos deste ensaio são a apresentação do fenômeno do portunhol e a classificação deste sob os conceitos de língua (Lourenço Souza, et. al., 2014) (sistema de comunicação), interlíngua (sistema de transição no processo de aprendizagem duma língua) ou dialeto (variedades da língua). A variação do portunhol que utilizaremos para exemplificar o fenômeno é o das cidades gêmeas de Santana do Livramento no estado do Rio Grande do Sul no Brasil e de Rivera no Uruguai. Através das definições destes conceitos e dos aspectos linguísticos identificaremos a qual destas noções pertence o portunhol. Também exporemos os aspectos sociolinguísticos do fenômeno e como é percebido pela sociedade destas cidades. Para chegar à nossa conclusão primeiro ofereceremos o contexto histórico pelo qual o fenômeno ocorre. Depois, explicaremos o que são as cidades gêmeas, os conceitos de interlíngua, língua e dialeto, os aspectos sociolinguísticos e suas características linguísticas.

O Brasil, conquistado pela Coroa portuguesa em 1500, teve um processo expansionista no século XVIII “que distribuiu terras e fundou guarnições militares na região” uruguaia (Sturza, 2005: 48). Com a expansão se ocuparam zonas no norte do Uruguai, as quais mais tarde foram recuperadas pelos uruguaios. As fronteiras foram delimitadas ao final do século XIX com o Tratado de 1851, entre o império do Brasil e o governo de Montevidéu, Uruguai (Navarrete, 2006: 6). No limite entre o Brasil e o Uruguai existem seis cidades gêmeas, as quais têm uma interação de relações e redes de âmbito local com centros econômicos, administrativos, políticos (capital departamental, capital do país) e a nível internacional (países vizinhos, intercâmbio comercial internacional) (Navarrete, 2006: 7).

Outro aspecto importante que devemos ter em consideração é a organização do MERCOSUL. Criado pelo Tratado de Assunção em 26 de março de 1991 (Educa), o Mercado Comum do Sul inclui o Brasil, a Argentina, a Bolívia, o Paraguai, a Venezuela e o Uruguai (Mercosul). Segundo a página cibernética da organização, os países pertencentes ao tratado “compartilham uma comunhão de valores que encontra expressão em suas sociedades democráticas, pluralistas, defensoras das liberdades fundamentais, dos direitos humanos, da proteção do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável, bem como seu compromisso com a consolidação da democracia, a segurança jurídica, o combate à pobreza e o desenvolvimento econômico e social com equidade” (Mercosul). A organização joga um papel importante na educação nas cidades gêmeas, o qual discutiremos mais adiante. As línguas oficias do MERCOSUL são o português e o espanhol. Como mesmo ocorre o contato entre as culturas das cidades do MERCOSUL por razões históricas ou políticas, ocorre o contato entre as línguas, e é de onde sai o portunhol.

As pesquisas sobre o portunhol denominam-no como uma língua vernácula, um dialeto do português do sul do Brasil ou do espanhol no norte do Uruguai (Lipski, 2006: 7; 2007: 12). Mas com as características que vamos proporcionar, o portunhol é mais uma interlíngua (Chareille, 2004:126). Uma interlíngua é,

“…[O] sistema de transição criado pelo aprendiz, ao longo de seu processo de assimilação de uma língua estrangeira (...) caracterizada pela interferência da língua materna, até o aprendiz ter alcançado seu teto na língua estrangeira, ou seja, seu potencial máximo de aprendizado.” (Faulstich, 1997: 8)

Portanto tem pouca tradição literária e não tem gramática definida. Em câmbio, uma língua é, “…[ ] um instrumento de comunicação, um sistema de signos vocais específicos aos membros de uma mesma comunidade.” (Santos, 2000: 2) que tem uma tradição literária e uma gramatica definida. Por outro lado, um dialeto é uma “…[ ] variedade da língua (...) identifica-se por peculiaridades de pronúncia, de vocabulário e de gramática.” (Chareille, 2004: 126). Lembremos que a diferença entre uma língua e um dialeto é a oficialização desta pelo governo ao nomeá-lo como língua oficial dum pais.

O portunhol, no seu aspecto sociolinguístico, é considerado um fenômeno que apresenta diglossia, uma “… [ ] situação linguística em que duas línguas são utilizadas no mesmo terreno geográfico de modos diferentes e desempenhando papéis diferentes”. (Martínez, 2014: 204) No caso de Rivera, no Uruguai, o lado onde acontece o fenômeno (Lipski, 2006: 7; 2007: 14; Chareille, 2004: 126), o espanhol é a língua oficial do país e se utiliza no âmbito formal e público, enquanto o portunhol é utilizado no âmbito familiar e informal (2014: 204; Caravalho, 1997: 642; 2004: 129-130). Por outra parte, considera-se que há bilinguismo com diglossia, quando o falante tem competência linguística nas duas línguas (Mozzillo, 2013: 193). O portunhol é resultado duma mistura de códigos (“code mixing”) onde é difícil estabelecer uma língua base. (2006: 11; 2013: 190) A mistura de códigos não é tão marcada como o intercâmbio de códigos (“code-switching”), onde cada língua é “…reconhecível no seu uso alternado” (2013:191). A mistura de código é provocada pela interferência do espanhol no português, ou vice versa. Esta ambiguidade é a que não permite estabelecer com certeza a língua base do portunhol, já que a preferência da seleção da língua ‘base’ é determinada por cada falante.

A ambiguidade das formas no portunhol leva-o a ser uma fala rejeitada pela comunidade, pois é vista como rasgo duma educação deficiente e dum nível social baixo, de modo que os falantes, apresentam uma insegurança linguística, quer dizer uma negatividade para o fenômeno e se autocorrigem constantemente (Caravalho 1997: 644; Faulstich 1997: 8). A fim de lutar contra a “interferência negativa” e os “erros de mistura de línguas” como dizem alguns professores uruguaios (1997: 10), o MERCOSUL implantou na fronteira o programa de Imersão Dual. O programa impõe o ensino formal do espanhol e do português padrão (2014: 213). Esta iniciativa é bem vista por uns e um pouco desprezada por outros que dizem que o ensino do português atenta contra o portunhol, o qual consideram uma língua madre (2014: 208).

A interferência linguística do espanhol e o português no portunhol é perceptível em algumas características linguísticas, como na fonologia, na morfologia e na sintaxe. Alguns rasgos fonológicos do portunhol são combinações das duas línguas, embora os rasgos do português estejam mais presentes. Um exemplo proposto pelo linguista John M. Lipski é a retenção do /s/ final pronunciando a consoante sibilante [s], a qual o português do Brasil tende a eliminar, como em “… as pessoa velha, os livros importante” (2016: 8). Outra variável fonológica é a vocalização da consoante palatal líquida /ʎ/ e as consoantes dentais /d/ e /t/ seguida pelo som vocálico /i/, tendência que vêm provavelmente do espanhol (1997: 648). O mesmo ocorre com a simplificação das consoantes africadas [dʒ] e [tʃ] presentes no português, como en [dʒía] ‘dia’ e [tʃía] ‘tia’ (Caravalho, 1997: 648), a ditongação de vogais simples do espanhol, como perro> pierro, e a monotongação dos ditongos espanhóis, como tempo<tiempo, oco<hueco (Faulstich, 1997: 11). Entre os rasgos morfológicos temos o acrescentamento de prefixos nos verbos, como arremontar por remontar, amostrar por mostrar (Chareille, 2004: 127). Além disso, a mesma perda da /s/ na fonologia está também presente na morfologia terminando numa falta de concordância entre o artigo no plural e o substantivo em questão de número. Os artigos definidos e os pronomes pessoais espanhóis são substituídos pelos portugueses, a preposição en (em espanhol) se combina com os artigos definidos (ex. na iscuela, ne la escuela) (1997: 13). Na sintaxe, a interferência é “observada na estrutura frasal” segundo a professora Enilde Faulstich (1997: 13), por exemplo, a falta de concordância entre pessoa e número e a substituição dos verbos e auxiliares tener por haber. As palavras que são em portunhol muitas vezes são deformações do léxico em espanhol ou em português, por exemplo, millo de milho e callorro de cachorro (Faulstich 14). O portunhol, aos poucos, há começado a produzir literatura, presente na internet e em livros publicados como Fronteras de Joaquim Coluna (1975) e Toda la tierra (2000) do escritor fronterizo Saúl Ibargoyen, e Mar Paraguayo (1992) do escritor brasileiro Wilson Bueno, cujo portunhol é uma proposta do autor e a língua resulta própria (Fernández García, 2006: 561-564).


Conclusões

Como vimos, o portunhol tem estado presente desde a época da colonização entre o Brasil e sua fronteira. Portanto, o portunhol é também “língua materna” para as pessoas que sempre hão estado em contato com a língua espanhola tanto quanto com a portuguesa. É parte de sua identidade. Retomando a nossa hipótese, segundo as definições e os exemplos dados, concluímos que o portunhol fica numa fase de interlíngua já que não é oficial, seus aspectos linguísticos não estão ainda bem definidos, embora tenha uma literatura emergente, e a oscilação entre o espanhol e o português depende da competência linguística que tenha o falante. Respeito a educação bilíngue que se está impondo na fronteira, consideramos que é um bom começo em favor de uma melhor competência linguística nas duas línguas dos habitantes expostos ao fenômeno. Tem o fim de melhorar a capacidade bilíngue e comunicativa nestas comunidades, sem eliminar o portunhol, que é parte de sua cultura. Em síntese, o portunhol, tal e como o temos apresentado, é uma interlíngua à qual os fronteiriços estarão sempre expostos sem importar a competência linguística no português ou no espanhol.


Referências

Caravalho, A. M. Variation and Diffusion of Uruguayan Portuguese in Bilingual Border Town. Actas do I Simposio Internacional sobre Bilingüismo. 642-651, 1997. Digital http://ssl.webs.uvigo.es/actas1997/05/Carvalho.pdf

Chareille, S. Aspects de la situation linguistique de l’Uruguay: le cas du portuñol. Glottopol, Revue de sociolinguistique en ligne. Núm. 4, 125-135, 2004. Digital http://glottopol.univ-rouen.fr/telecharger/numero_4/gpl401introduction.pdf

Fernández García, María Jesús. Portuñol y literatura. Revista de Estudios Extremeños. 52(2), 555-576, 2006. Digital http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2066306

Faulstich, E. ¿O portunhol é uman interlíngua? Seminario no Institut Universitari de Lingüística Aplicada (UILA). Barcelona: Universitat Pompeu Fabra, 1997. Digital https://catalyst.uw.edu/workspace/file/download/bd3afceedc56b23edd033379c0f8e9b7acb4f067242b51ee846b2a6ac3d45bd6

Lipski, J. M. Too close for comfort? The genesis of "Portuñol/Portunhol". In T. L. Face, & C. A. Klee, Selected Proceedings of the 8th Hispanic Linguisctics Symposium (pp. 1-22). Somerville, MA: Cascadilla Proceedings Project, 1-22, 2006. Digital http://www.lingref.com/cpp/hls/8/paper1251.pdf https://www.researchgate.net/publication/253263932_Too_Close_for_Comfort_The_Genesis_of_PortunolPortunhol

__________ . Cruzando fronteras/cruzando lenguas. El arte de (con)vivir. Third Interdisciplinary Colloquium on Hispanic/Latin American Literatures, Linguistics and Cultures, Gainesville, 2007. Digital (manuscrito inédito) http://www.personal.psu.edu/jml34/cruzando.pdf http://listserv.linguistlist.org/pipermail/infoling/2007-June/002632.html

Lourenço Souto, Mauren; Flores González Alem, Alline Oliva; de Souza Brito, Ana Marlene & Bernardo, Claudia. Conceitos de língua estrangeira, língua segunda, língua adicional, língua de herança, língua franca e língua transnacional. Revista Philologus. Año 20, Núm. 60, Suplmento #1, 890-900, 2014. Digital http://www.filologia.org.br/revista/60supl/070.pdf

Martínez, Gisela Paola. Dialectos portugueses del Uruguay. Diglossia y educación en la zona fronteriza de Uruguay y Brasil. Web-Revista SOCIODIALECTO. Vol. 5, Núm. 13, 203-218, 2014. Digital http://www.sociodialeto.com.br/edicoes/18/08082014102114.pdf

Mozzillo, Isabella. Aspectos do portunhol na fronteira Brasil-Uruguai // Aspects of Portunhol in the border between Brazil and Uruguay. PAPIA: Revista Brasileira de Estudos Crioulos e Similares. 23(2), 187-199, 2013. Digital http://revistas.fflch.usp.br/papia/article/download/2044/1914

Navarrete, Margarita. “La región fronteriza Uruguayo-Brasilera. Laboratorio social para la integración regional: cooperación e integración transfronteriza”. Montenideo: Facultad de Ciencias Sociales-Universidad de la República, 2006. Digital (manuscrito inédito-tesina de licenciatura) http://www10.iadb.org/intal/intalcdi/PE/2007/00095.pdf

Santos, Carlos. LÍNGUA + LINGUAGEM = COMUNICAÇÃO. Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos. 2000. Digital http://www.filologia.org.br/anais/anais%20iv/civ12_5.htm

Sturza, Eliza Rosa. Línguas de fronteira: o desconhecido território das práticas lingüísticas nas fronteiras brasileiras. Ciência e Cultura. 52(2), 47-50, 2005. Digital http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S0009-67252005000200021&script=sci_arttext http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v57n2/a21v57n2.pdf


Endnote ou footnote

Por este meio, quero expressar o meu mais sincero agradecimento à minha professora Dra. Lolita (María D.) Villanua pelo apoio e a atenção que teve comigo.

Posted on February 7, 2016 .